quarta-feira, 7 de abril de 2010

Complexidão existencial



Busco almejando na procura de encontrar respostas in-respondidas, mas apenas apercebidas pela subjetivação e contemplação, tateio mesmo sem tocar, olho mesmo sem ver, sinto mesmo não sentido, no escuro e complexo abismo da alma, vejo não vendo, aquilo que está para além de mim, mas, no entanto em mim.

Arrisco inutilmente desvendar o mistério do grande Ser, que nunca é sendo apreendido pela mentalidade do discernir, olho para a imensa imensidão do seu infinito existir incompreendida, não clareada pelo saber da inteligência do entender.

Não consigo tão pouco penetrar na magia do existir da existência humana, quando não mais sei o que de vir à existência, sem decidirmos se queremos, e não sabendo o porquê de sermos, antes de sabermos já estamos sendo levados pela morte da complexa vida efêmera de subsistir em nossa habitação deste mundo.

Sou um barro desfeito pela chuva, castelo de areia levado pelas ondas do mar, céu estrelado coberto por nuvens de extensa escuridão, sol quando a noite já vem e esconde o brilho da vida, fumaça de um incêndio assoprado pelo vento, plantação de lavoura que cresce e é arrancada, casa derrubada, caminhante pelo deserto do errante destino, onde sou destinado a sumir pela as areias da vida, sugado pelo turbilhão voraz da morte, frágil porcelana que se despedaça quando a pedra é arremessada.

Mas antes, vida cruel, destino fatal, morte insensível, desumana na humanizadora dor, permita-me abrir os olhos e por um estante poder ver o que a vida é, encontrando nela, se fazendo ser, ainda que por um breve tempo de não saber se si-em-mim serei na continuidade do existir, a razão verdadeira de si estar sendo na existência da vida seja uma doce ilusão, mas eu quero continuar vivendo, apesar de sentir não vendo e sendo nesta efêmera, as vezes cansada, as vezes solitária, mas ainda sim, vida que precisamos valer, não se esperando acontecer o que talvez não de tempo, por isso encontrar comigo, ser eu, viver não postergando a vivencia, pois um dia certamente vamos deixar de ser para não ser o que somos.

Sai do escuro da vida, fechado, trancado por paredes de pele, coberto de vida, sendo uma vida não consciente, não tendo lembranças deste momento único, marcante, cheio de vida que gerou minha vida através de uma outra vida, choro que foi minhas palavras inauditas, mas expressadas de dor e emoção, da angustia de começar ser na existência da vida no mundo.

Ao mesmo tempo em que acelera o meu coração, pois voltarei para o escuro, não mais para nascer, mas para finalmente morrer, e quando a morte chegar, serei tragado pelo o escuro mistério, da onde não sei de minha consciência, mas sei que já terei vivido e estarei pronto para ser expulso mais uma vez, só que desta vez da vida, a mesma escuridão donde eu vim, e a mesma para onde brevemente retornarei.

Escrito por: Marcio Alves

25 comentários:

  1. Marcinho, meu querido...

    Continuando assim, escrevendo de forma tão visceral e existencial, você logo, logo, se tornará um grande poeta! Poeta do subjetivismo existencial você já é, de fato, mas ainda serás mais que isto com toda certeza.

    Teu texto é denso, dolorido, até pessimista, mas profundamente sincero diante das respostas não respondidas e das dúvidas não esclarecidas.

    assim é mesmo a vida. Vivamos pois, da forma mais intensa possível; da forma mais bela possível; não deixando que o MIstério dos mistérios abafe a alegria do ser, pois é exatamente nesse Mistério, onde a vida se faz mais bela, mais relfexiva, e portanto, mais significativa.

    ResponderExcluir
  2. Caro Marcio

    Bravo! Bravo e bravo!!!

    Que ensaio poético irretocável tirastes de tuas entranhas, digno de ser publicado nos maiores periódicos do país!

    Que belo texto existencial.
    Descrevestes o ser humano desde a sua formação no Útero, até a morte.

    E eu, que já tenho 63 anos de idade, fiquei pasmo e sensibilizado com a realidade nua e crua que de mim se aproxima, pois, o natural dessa nossa vida efémera, é que os mais velhos partam primeiro.

    Fiquei arrupiado, cara! Esse teu memorável texto me fez pensar mais sobre a finitude terrena que nos aguarda.

    PARABÉNS,

    Levi B. Santos

    ResponderExcluir
  3. Meu querido poetinha da existencia;

    Tu és o grande poéta que nos assalta a sabedoria.

    Descreveste com maestria a fragilidade do ser diante do Ser supremo, estou reduzido ao pó diante deste esmagador depoimento.

    Gente este é o meu Amigo Marcio se orgulho é pecado sou pecador me orgulho do meu amigo.

    Marcio quando eu te encontrar vou cair de joelhos aos seus pés os Deuses da poesia fazem o mesmo agora.

    Tamanha é a minha emoção.

    Forte abraço.

    ResponderExcluir
  4. Márcio,

    Como somos frágeis! Teu ensaio me levou a uma viajem introspectiva e percebi a imensidão disso tudo. Quanto mais mergulho em minhas interioridades e calmamente observo o constante movimento de minha alma, mais anseio penetrar na dimensão pacífica cuja essência ainda os humanos só conseguiram ter uma vaga idéia, mediante a fé e o Amor.

    Abraço

    ResponderExcluir
  5. EDUARDO MEDEIROS

    Concordo contigo que o mistério da vida é o que da beleza, cor e cheiro para a nossa vida.

    Abraços

    ResponderExcluir
  6. Mestre LEVI

    Realmente este meu texto foi escrito com uma visão de dentro para fora, totalmente existencial.
    Ainda sou muito jovem, mas confesso que o assombro da morte é o que me faz mais e mais refletir sobre a vida.

    Abraços

    ResponderExcluir
  7. JAIR DOS SANTOS

    Que declaração mais forte é esta meu amigo Jair?
    Saiba que você é muito, mas muito mais poeta do que eu, eu apenas de vez enquanto tento rabiscar alguma coisa, e tenho muita sorte de sair estas perolas.

    Abraços

    ResponderExcluir
  8. Amigo OSÉIAS

    Quanto mais refletimos, buscamos e lutamos, mais encontramos a complexidade e finitude diante da vasta e incomensuravel imensidão da vida.

    Abraços

    ResponderExcluir
  9. Realmente, escrevemos dois textos semelhantes quase simultaneamente - e confesso que não havia lido o seu antes de escrever o meu, que, aliás, foi um insight, não premeditado.

    Uma bela reflexão sobre a nossa existência, do nascimento à... morte?... é o que veremos, um dia...

    ResponderExcluir
  10. Amigo MARCINHO,

    Este seu ensaio está literalmente IRRETOCÁVEL, como disse o Mestre LEVI.

    Mas acrescento, MARAVILHOSO, ESPETACULAR....e confesso que as lágrimas de emoção rolaram por aqui do outro lado da telinha...rs

    Nem precisa de complementos este ensaio, pois quando penso em complementar algo, basta lembrar-me da escrita nas entrelinhas, que encontro de forma completa toda a imensidão que esta complexidade existencial se encarrega de nos encaminhar.

    Abraços querido.
    Parabéns ... Marcinho o mais novo poeta!! rs

    ResponderExcluir
  11. Mano ISA

    Talves nem cheguemos a ver, contudo, existe a possibilidade, mas ainda sim, prefiro não viver agarrado a ela.

    Abraços

    ResponderExcluir
  12. PAULINHA

    Talves eu esteja me tornando aquilo que sempre fui sem saber que eu era mas já sendo.

    Abraços

    ResponderExcluir
  13. Amigo Marcio;

    Fui tomado pela emoção e por este motivo que não lhe polpei elogios, parece rasgação de seda, mas escrevi o que meu coração sentiu ao ler o seu texto me vi refletido nele, não sendo presunção da minha parte, é que o teor do seu texto me tocou profundamente.

    Forte abraço.

    ResponderExcluir
  14. Me encontro a cada dia desencontrado na existência que sinto não mais existir.Sinto o medo de não ter medo, é a fé daqueles que já não tem mais fé. A minha dor agora é a completa insensibilidade de sentir: não mais sentir nada me tocar. A minha busca agora, é buscar não mais buscar coisa alguma.

    Me jogo a cada dia no infinito do Nada absoluto do Ser eterno em sua não existência factual, que não deixar de ser essência imanente no mundo que toca a mente que o sente sem o saber, e que o sabe sem o sentir.

    Indo e andado existencialmente no mundo seco do ceticismo de meu saber eu sinto a magia incomensurável do Ser que me conduz ao sentir eterno para depois me lançar na desesperança bendita do nada absoluto e fim de todo conhecer neste mundo de mágica e acasos indescritíveis.

    E assim como pó e átomos que me formam, irei após o doce desespero de saber nada saber neste mundo sobre o TODO, irei se desfazer do uno que sou para fazer parte da continuação da vida em outros compor que iram ser composto pelos átomos e grão de meu corpo.

    No entanto, enquanto as células do minha consciência governar o meu corpo irei sentir o doce sabor de valorizar a vida pela morte, a alegrei pela desgraça e o amor pela dor. Sabendo que a vida por ser ela divina em essência que brota do grande EU SOU já faz sentido só pelo fato de ser e existir sem necessariamente ter a existência de um sentido que não seja o próprio viver na dor na alegria e no saber das cosas que não se sabe mas se sente sem saber e se sabe sem sentir.

    Pois para isso fui milagrosamente jogado a este mundo sem saber se eu poderia saber das coisas que se sabem dar significado único e absoluto do existir fato que brota do ser mítico que de tão inalcançável se tornou acessível no momento em que me tornei vida de sua Vida para um dia me tornar lenda na morte de sua inexistência física mas eterna no seu retorno ao drama da vida.

    ResponderExcluir
  15. UEL! UEL! UEL!

    “Quem com ferro fere com ferro será ferido”kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    Ula! Ula! Ula! Estou em jubilo indescritível por poder descontar o que o Marcio tem feito comigo.

    Gente não é inveja de tanta bajulação que vocês fizeram para ele, é somente uma divida que eu tenho com ele, iraaaaaaaaaaaaaaá

    Chipa lá pra trás, sumrimicantas churimiandas chepa cantas chepa lais

    Muuuuuuuuuuuuuú beeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeé uau uau uau

    O Gloriaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa é golllllllllllllllllllllllllllllllllllllllll é do Brasil quer diser do gresderrrrrrr................ é tetra.............. é penta...................hoje é sesta feira traga mais serveja to de saco cheio

    Marcinho eu te amo, eu te amo, eu te amo, eu te amuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuu pêra que tem mais um pouquinho de uuuuuuuuuuuuuu e vai tomar ...jeito nesta cara e parar de imitar minha escrita que eu não achei graça nem uma seu palhaço.

    ResponderExcluir
  16. Grande amigo GRESDER SIL

    Eu sei da sua admiração e prestigio pelos meus maravilhosos textos e comentários, portanto, continue sua caminhada de se espelhar em mim, para escrever em seu blog.

    Desculpe se a minha escrita é muito superior a sua, mas eu até que tento limitar a minha escrita quando comentou em seu blog em respeito a sua pessoa, mas infelizmente como sempre, ela tem sido melhor a cada dia.

    Não fique com ciume e inveja de mim, eu vou mandar um e-mail particular para as pessoas que me elogiaram muito, para não o fazerem mais, e, disfarçar e elogiar você, pois eu percebi que você é doente por elogios, se comentarem os seus textos e não elogiarem, então o comentário para você não prestou.

    Mas vou te dar um conselho amigo, capriche mais na sua escrita e pelo amor de deus, tente escrever com menos erros ortograficos, pois isto, acaba por afundar ainda mais as suas postagens que a cada dia estão ficando sem brilho e sabor.

    Abraços

    ResponderExcluir
  17. Marcinho:

    Sobre a postagem do Gresder:

    Quem com inteligência fere, com inteligência será ferido...haaaaaaaaaaa

    ResponderExcluir
  18. Falou e disse Duzinho. hahahahahaha

    ResponderExcluir
  19. Foi bom encontrar nos meus e-mail a introdução do seu ensaio. Lembrei de Isaias 41.l4 "Não temas, ó vermizinho de Jacó..."
    Você trouxe a tona toda a nossa fragilidade humana tendo a coragem de mergulhar dentro das profundezas do seu ser e ainda poetizou belamente toda esta escuridão assombrosa do nosso ser e não ser.

    Se desejar, leia no nosso blog a última postagem. Seu comentário vai me honrar

    eu sou péssima na escrita. Perdoe.

    Parabéns pelo privilégio de ser tão sensível e inteligente. Abraço.

    ResponderExcluir
  20. Martinho Alves Lutéricocó você não percebeu que estes elogios a você são porque as pessoas estão com pena de ver você se esforçar paras atingir os pícaros da minha altura.

    Você não percebe que eles te tratam como menino, fato este incontestável no modo como o Eduardo te chama de “meu protegido”, porque? Porque diante de mim você não é palio e por isso precisa de ser protegido pelo Eduardo ou amparado pelo Edson.

    Explica para ele LEVI que ao chamar o Marcio de “meu protegido” o Eduardo inconscientemente tem pena dele por ver o seu esforço inútil em ofuscar minha gloria gloriosa.

    Agora quanto a escrever um texto amparado por outro como eu fiz e você sempre faz é muito fácil pois eu que demoro bem mais de mentalizar um poste para depois escrever posso escrever um comentário postagem assim como você faz sem esforço nem um e vinte minutos.

    Tem mais ontem eu esqueci de terminar meu comentário comemoração com essa edificante musica:

    Creu creu creu creu creu creu creu creu creu creu

    Creu creu creu creu creu creu creu creu creu creu creu

    Creu creu creu creu creu creu creu creu creu creu creu creu

    Creucreucreucreucreucreucreucreucreucreucreucreucreucreu

    creeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeuuu

    ResponderExcluir
  21. GUIOMAR BARBA

    Foi bom também pra mim encontrar em meu e-mail o seu e-mail. Rsrsrsrs

    A sensibilidade não esta somente em meu texto, mas também em você, que pode ler e deixar ser lida pela subjetivação da postagem.

    Que pena que tem alguns que são tão vaidosos e arrogantes, que ao inves de apreciarem o texto, como você fez, vem somente para bagunçar o blog!!!

    Assim que eu tiver um tempinho, com certeza estarei indo lá em sua sala do pensamento.

    Obrigado e abraços

    ResponderExcluir
  22. GRESDER SIL

    A sua inveja e ciume doentil, o levará a ruina meu amigo!!!!
    Apenas capriche mais na sua escrita ortografica e no teor de suas postagens, e quem sabe, elas um dia não chegarão aos pés de meus textos.

    Abraços

    ResponderExcluir
  23. MARCIO ALVES

    A sua inveja e ciume doentil, o levará a ruina meu amigo!!!!
    Apenas capriche mais na sua escrita ortografica e no teor de suas postagens, e quem sabe, elas um dia não chegarão aos pés de meus textos.

    Abraços

    ResponderExcluir
  24. Hahahahahahahhahaahah.........

    O Gresderzitto ainda chegou até a velocidade cinco do Créuuuu.......kkkkkkkkkkkkkkk

    Hilárioo...estou morrendo de rir.....hahahahahahahahhahahahahahahhhahahahhahh.....

    Vocês são terríveis...rs

    ResponderExcluir
  25. Marcinho,

    Que sentimental... um verdadeiro sentimento posto na mesa da tabula redonda.

    Gostei... Mas sabe o que é Complexão existencial... "É entender que o que é já foi. O que a de ser também já foi. E Deus pede conta do que passou"

    Abraços amigão... e descupe a demora... estamos em semanas de prova na facul...

    ResponderExcluir

Deixe a sua opinião.

Mesmo que você não concorde com nossos pensamentos, participe comentando esta postagem.
Sinta-se a vontade para concordar ou discordar de nossos argumentos, pois o nosso intuito é levá-lo à reflexão!

Todos os comentários aqui postados serão respondidos!