terça-feira, 3 de agosto de 2010

Teogonia

Quem és tu que me libertastes daquela agonia?
De viver estranhamente num mundo de fantasia
Forjada nos palácios de marfim da teologia
Hoje meu discurso é apenas uma poesia.

 Um mundo novo me foi revelado pela filosofia
Aos poucos derrubei as muralhas da mitologia
No peito cresceu o amor por uma ideologia
Que torna-me mais humano a cada dia.

Descobri o mundo mágico da psicologia
Observando o ser humano e sua idiossincrasia
Considerei ambos os lados da analogia
Optei por fugir dos braços da teocracia.

Destruí minhas bases evangélicas com maestria
Suportei as crises existenciais com valentia
Apoiei-me nos braços do amigo que me ouvia
Enfrentei meus monstros interiores com ousadia.

Hoje abomino os atos de covardia
De homens que iludem o povo com simpatia
Desprezo todos os tons dessa sinfonia
Que conduzem o ser humano à esquizofrenia.

Não há mais espaço em mim, para nostalgia
Nem o impulso emocional que me conduzia
Contemplo apenas a realidade que se anuncia
De uma fé que em outros tempos me iludiria.

Depois de jogar por terra essa liturgia
Houve quem  dissesse que Ele me puniria
Projetaram monstros que não passam de histeria
Ocultos nos textos-base da teogonia.
 
 
Edson Moura

15 comentários:

  1. Belo poema, Edson. Realmente, temos a sorte de termos nos libertado de muitas amarras e prisões ao longo da nossa ainda jovem estadia nesta terra. Meus parabéns pela obra. Um abraço.

    ResponderExcluir
  2. Obrigado Isa! Tem horas que, assim como o Levi, precisamos dar um tempo nos escritos muito densos e partirmos para algo mais manso...como a poesia.

    Como a poesia nos dá licença para falarmos muitas coisas que ás vezes não podemos verbalizar em um artigo acadêmico, faço uso deste direito para expressar-me.

    Abraços!

    ResponderExcluir
  3. Karla Vasconcellos3 de agosto de 2010 22:53

    Lindo poema EDSON!!

    Parabéns...

    Eu não poderia deixar de elogiá-lo, até mesmo por dois motivos...um que eu amo poemas, e outro é que este não é um poema-poema, mas sim poema coerente...e bem conciso.

    Destaco este fragmento:

    "Hoje abomino os atos de covardia
    De homens que iludem o povo com simpatia"

    e ....

    ...que tentam fazer da inocência humana, uma contundente ferramenta para manipulá-los, de forma a tapar visões para a realidade existencial, ao invés de abrir muitos olhos, e mostrar para muitas pessoas.....o quão o mundo é maravilhoso, para insistirem em viver "presos" diante o MEDO de arriscar em "bater as asas"....

    Beijos.

    ResponderExcluir
  4. Ó quâo bela e profunda foi a tua poesia
    Os afetos narrados com incomum maestria
    Incutiram a esperança em uma alma vazia
    Afugentando a tristeza e trazendo alegria.

    ResponderExcluir
  5. Karlinha, obrigado pelas suas palavras, que a Paulinha não me ouça..mas você é a deusa que ilumina minha vida.rsss



    Volte sempre...beijo e me liga!

    ResponderExcluir
  6. Leví mau mestre Bronzeado, que honra para mim é saber que um célebre poeta Paraibano lê meus poemas.

    Quando pergunto lá no começo:"Quem és tú que me libertastes da agonia" saiba que o pensamento estava em muitos membros da Confraria blogosférica.

    Hoje apenas a luz irradia
    Nã existe mais monotonia
    A razão superou a agonia
    Hoje vivo como deveria

    Abraços meu mestre!

    ResponderExcluir
  7. Edson, primeiramente, seu poema está uma obra prima. Muito bem escrito, mesmo.

    Lembra da música do Gilberto Gil que começa assim:

    O Rio de Janeiro continua lindo
    O Rio de Janeiro continua sendo...

    Tem uma hora que ele diz:

    Meu caminho pelo mundo eu mesmo faço
    A Bahia já me deu régua e compasso
    Quem sabe de mim sou eu.
    * * * * * *

    Isso é "autonomia existencial" (se é que eu posso usar um termo como este). Buscar o seu caminho. Trilhar as sendas escolhidas por si próprio e não caminhar o atalho que o outro te impôs.

    Não sei se você está acompanhando as discussões lá na confraria sobre o texto do JL por isso, vou colar aqui uma resposta que eu dei ao Hubner sobre duas questões que ele fez:

    a primeira pergunta que ele fez:

    "Mas será que as mitologias bíblicas foram verdadeiras?"

    a outra:

    "Sabemos as grandes possibilidades de serem verdadeiras!!!!"

    Então, eu lhe respondi:

    Hub, tuas perguntas:

    "Mas será que as mitologias bíblicas foram verdadeiras?"

    "Sabemos as grandes possibilidades de serem verdadeiras!!!!"

    Olha, essas perguntas não têm muito sentido de ser. Explico: não devemos classificar um mito como "falso" ou "verdadeiro" pois esses extremos não lhes são aplicáveis.

    Não existe mito falso. Não existe mito verdadeiro. O significado de falso ou verdadeiro deve ser substituído por "faz sentido para você" ou "não faz sentido para você".

    Como os mitos falam de realidades transcendentais, do mundo dos sonhos, do mundo encantado, do que faz sentido (que não é menos "verdadeiro" do que o mundo do empirismo radical), os mitos religiosos são verdadeiros para aqueles que neles encontram sentido para a vida.

    No mito, o que menos importa é perguntar "isso pode acontecer"? "isso aconteceu de fato"? o que se deve perguntar num mito é "o que ele te ensina"? "qual sentido ele dá à sua vida"?

    Então, por exemplo, não faz sentido(em certo sentido, rss) em perguntar se o mito da ressurreição de Jesus foi falso ou verdadeiro.

    O que se deve perguntar é: "o que isso significa para você existencialmente?" Pode significar nada, ou pode significar tudo.

    Creio que você vai captar a mensagem que eu quero transmitir nessa minha resposta.

    abraços

    ResponderExcluir
  8. Apesar dos muitos “ias’ propositais a poesia esta belíssima, bem descritiva na epopéia de uma apoteose invertida, aonde o divinas é que se torna humano.

    “Hoje meu discurso é apenas uma poesia.”


    A poesia realmente toca mais a vida do que a sistemática, antes a ignora despreza-a em seus passos flutuantes sobre a brutalidade da lógica do logos divino.


    “No peito cresceu o amor por uma ideologia”


    Sim, a vida tem este dom maravilho de nos dar um novo e mais forte sentido, quando descobrimos o qual provisório e precário foram nossas primeiras impressões sobre o mundo.


    “Optei por fugir dos braços da teocracia.”


    Apesar de muito mal falado o antropocentrismo é muito mais honesto e fiel do que a teocracia, pois trás em si implícito o conceito de relatividade e humildade das idéias humanas em oposição a arrogância divina.


    “Apoiei-me nos braços do amigo que me ouvia”


    A alma do próximo foi o que nos sobrou, pois se liberamos deus para cuidar de outros mundos mais necessitados, não ficamos sozinhos, pois suas centelhas estão vivas na alma do nosso semelhante.


    “Hoje abomino os atos de covardia”


    E poe covardia nisso! Ver o pobre necessitado e ainda lhe explorar através da fé é de se revoltar mesmo. Ver o crédulo aflito sofrendo e achar que o veneno que o esta matando pode curá-lo, ou é ingenuidade de caipira, ou perversidade consciente.


    “De uma fé que em outros tempos me iludiria.”


    Em outros tempos talvez fosse pedagógico, mas voltar para trás agora, se permitir as mesmas emoções, desejar aquilo de novo, é fraqueza da alma, são resquícios do que ainda não se esgotou ainda.


    “Houve quem dissesse que Ele me puniria”


    Disseste bem: “houve que...”, pois Ele mesmo nada disse, disseram em seu Nome, como se Ele precisasse de defensores, como se Ele temesse ficar só, como se não suportasse uma afronta, e como se fosse tão humano com aqueles que se posicionaram como seus mediadores.

    ResponderExcluir
  9. Gresder, estou absolutamente sem palavras (e olha que isso é difícil) diante da análise que fizestes do poema.

    Digo com orgulho:

    Sou amigo do cara mais genial da blogosfera...e não estou preterindo aos outros...é que você me surpreende a cada dia garoto!

    Obrigado!

    ResponderExcluir
  10. Eduardo meu capitão, obrigado pelos elogios, e sei que não os mereço...não ainda.

    Você falou para o Hubner a maior verdade do mundo (meu mundo)

    Suas respostas foram absolutamente verdadeiras, o problema é que o Hubinho precisa estudar um pouco mais a "Lógica do Nonsense"

    O "nonsense" não é algo falso, ,mas também não é verdadeiro e nem o pode ser. Trata-se às vezes de uma proposição absurda que se disfarça de possível. Ele aparece tanto em frases do dia a dia, quanto em teorias filosóficas e ou mitológicas.

    Quero que você e o Gresder leiam o texto que postei no Blog do Noreda e depois vejam o "Rap" que escrevi sobre o assunto....é de morrer de rir.

    Obrigado Edu, por preocupar-se em trazer os temas da Confraria até mim...tenho saudades dos tempos de confraterno.

    Abraços calorosos!

    ResponderExcluir
  11. Generosidade a sua... Não precisa mentir mais para me conquistar... Pois já fui conquistado pelas suas mentiras antigas...

    ResponderExcluir
  12. Gresder, desta vez eu não estou estou mentindo...(só desta vez rsss)

    Seu comentário foi muito bom mesmo!

    ResponderExcluir
  13. O Senhor é o meu pastor;
    - Isto é relacionamento!
    nada me faltará.
    - Isto é suprimento!
    Deitar-me faz em verdes pastos,
    - Isto é descanso!
    guia-me mansamente a águas tranqüilas.
    -Isto é refrigério!
    Refrigera a minha alma;
    - Isto é cura!
    guia-me pelas veredas da justiça,
    - Isto é direção!
    por amor do Seu nome.
    -Isto é propósito!
    Ainda que eu andasse pelo vale da
    sombra da morte,
    - Isto é provação!
    não temeria mal algum,
    - Isto é proteção!
    porque Tu estás comigo,
    - Isto é fidelidade!
    a Tua vara e o Teu cajado me consolam.
    - Isto é disciplina!
    Preparas uma mesa perante mim
    na presença dos meus inimigos,
    - Isto é esperança!
    urges a minha cabeça com óleo,
    - Isto é consagração!
    o meu cálice transborda.
    -Isto é abundância!
    Certamente que a bondade e a misericórdia
    me seguirão todos os dias da minha vida,
    - Isto é benção!
    e eu habitarei a casa do SENHOR!

    Missionário Sergio Christino

    ResponderExcluir
  14. Missionário Sergio Christino
    O Senhor é o meu pastor;
    - Isto é relacionamento!
    Edson disse: Isto só quando se é uma ovelha, que não sabe qual caminho deve seguir, por isso depende de quem a conduza!

    nada me faltará.
    - Isto é suprimento!
    Edson disse: Somente se você tiver um bom emprego e um bom salário, ainda assim poderá faltar tranqüilidade!

    Deitar-me faz em verdes pastos,
    - Isto é descanso!
    Edson disse: Ou apenas um homem que optou por aproveitar bem o tempo ocioso!

    guia-me mansamente a águas tranqüilas.
    -Isto é refrigério!
    Edson disse: É preciso saber nadar, pois até águas tranqüilas, podem nos afogar...mansamente.

    Refrigera a minha alma;
    - Isto é cura!
    Edson disse: Ou Coca-Cola!

    guia-me pelas veredas da justiça,
    - Isto é direção!
    Edson disse: Tu podes até caminhar por estas veredas...mas não serás justo, e não serão justos contigo...sei do que estou falando!

    por amor do Seu nome.
    -Isto é propósito!
    Edson disse: Esta parte eu pulo.

    Ainda que eu andasse pelo vale da
    sombra da morte,
    - Isto é provação!
    Edson disse: Não é provação, é apenas experiência, pois o vale da sombra da morte nos faz refletir.

    não temeria mal algum,
    - Isto é proteção!
    Edson disse: Eu temeria, até porque todos temem o mal em si, ou vais me dizer que não temes?

    porque Tu estás comigo,
    - Isto é fidelidade!
    Edson disse: Por que ele só está com você...ou deveria dizer com Davi, tendo em vista que tantos outros menos afortunados precisam desta companhia?

    a Tua vara e o Teu cajado me consolam.
    - Isto é disciplina!
    Edson disse: Isto surra, e pelas leis vigentes...aqui no Brasil, onde vivemos, nem podemos mais usar a “vara” para disciplinar nossos filhos.

    Preparas uma mesa perante mim
    na presença dos meus inimigos,
    - Isto é esperança!
    Edson disse: Isto é egoísmo, pois nesta mesma mesa, quero meus inimigos comendo também.

    urges a minha cabeça com óleo,
    - Isto é consagração!
    Edson disse: Isto é ritual, e como eu não sou sacerdote judeu, prefiro apenas usar um gel qualquer.

    o meu cálice transborda.
    -Isto é abundância!
    Edson disse: Isto é desperdício, poderia muito bem encher até o meio e deixar o restante para outra pessoa.

    Certamente que a bondade e a misericórdia
    me seguirão todos os dias da minha vida,
    - Isto é benção!
    Edson disse: Isto é mentira, pois não é o que vemos em nossos dias. Ou você vê?

    e eu habitarei a casa do SENHOR!
    Edson disse: Eu habito na casa que construí com muito esforço, é no meio do mato, as ruas são de terra, a lama é abundante...mas é minha.

    Missionário Sergio Christino
    Edson disse: Obrigado pelo comentário, seja sempre bem vindo por aqui, e desculpe meu sarcasmo. Quando quiser fazer um comentário mais coerente, estarei aqui para responder.

    ResponderExcluir
  15. Carlos Disse:
    Edsom é bem verdade que quando olhamos para vida a poesia se torna mais bonita

    Percebemos que a fé nos alucina em coisas que não vemos ou talvez não veremos nem um dia

    Então porque não optar pela realidade onde cada um tem um percentual de parte

    Quem sabe se diminui a maldade

    Porque querer fazer da vida poesia essa é nossa vontade.

    Mais um belo texto poético meu caro amigo,parabéns!!!!!

    ResponderExcluir

Deixe a sua opinião.

Mesmo que você não concorde com nossos pensamentos, participe comentando esta postagem.
Sinta-se a vontade para concordar ou discordar de nossos argumentos, pois o nosso intuito é levá-lo à reflexão!

Todos os comentários aqui postados serão respondidos!